sexta-feira, 27 de maio de 2011

História de Cavaleiro

Por James Davidson



A história de Cavaleiro é uma matéria que há muito tempo tenho vontade de escrever. Alguns leitores já a tinham requerido, mas as dificuldades em encontrar fontes a este respeito prorrogaram esta postagem por um bom tempo. Ainda restam muitas dúvidas a serem esclarecidas, mas espero que esta postagem venha quitar a minha dívida com os cavaleirenses.

A história de Cavaleiro está relacionada aos antigos Engenhos Cavalheiro e Jangadinha. Além destes, existiam outros engenhos na região, como o Santana e o Sítio Sucupira Torta (em Sucupira), os engenhos Cumbe, Santo Amarinho, São Francisco e Cova de Onça (no atual bairro do Curado) e o Engenho Peres em Tejipió. Todos esses engenhos pertenciam à Freguesia da Várzea e já existiam desde meados do século XIX.

A sede do Engenho Jangadinha ficava situada onde funcionava a antiga FEBEM. Este engenho pertencia a Francisco Casado da Fonseca, conforme escritura de arrendamento datada de 23 de março de 1881. No começo do século XX, pertenceu ao prefeito de Jaboatão Francisco Brandão Cavalcanti e depois foi vendido para virar o atual abrigo. Depois a sede da Granja Jangadinha virou escola, que veio a ser transformada anos mais tarde em FEBEM. Já o Engenho Cavalheiro, ora aparece como propriedade anexa do Engenho Jangadinha, ora aparece como propriedade independente, durante o decorrer das últimas décadas do século XIX. Segundo as antigas escrituras, este engenho ou sítio, como às vezes também é referido, ficava ao sul do Engenho Jangadinha, separado deste pelo "Riacho Cavalheiro". A sede deste engenho ficava às margens do Córrego que atravessa atualmente o bairro de Cavaleiro, próximo ao Banco do Brasil.

Uma coisa interessante é que a localidade chamava-se inicialmente "Cavalheiro". Porém, por conta da semelhança com a palavra "Cavaleiro", a população passou a utilizar este último termo para denominar o local, por corruptela.

Ainda no século XIX, em 1859, os engenhos Jangadinha e Cavalheiro receberam a visita do Imperador D.Pedro II, em sua passagem por Jaboatão. Estando ali, quis ver um boqueirão existente entre algumas colinas e viu ruínas em terras do Engenho Jangadinha.

Mas a localidade só veio a crescer e torna-se povoada a partir da expansão do bairro de Tejipió e Coqueiral, no começo do século XX. Segundo Van-Hoeven Veloso, autor de Jaboatão dos meus avós, um homem simples e sem estudo, Teófilo Pereira de Lima é considerado o fundador de Cavaleiro. Com o apoio de José Liberato Fonseca Lima, ajudou a construir a Feira de Cavaleiro, em 4/02/1935. Funcionava inicialmente na Rua Siqueira Campos e, posteriormente, foi transferida para a Praça Samuel Campelo.

O Mercado Público foi erguido em 1943, sofrendo várias reformas posteriores. A Igreja de N.S. de Lourdes é de 1958, sendo que algumas igrejas evangélicas de Cavaleiro são bem mais antigas que ela. Cavaleiro destaca-se por ter uma percentagem de evangélicos de cerva de 30%, a maior entre os distritos. O Abrigo Cristo Redentor foi fundado em 1938, e o açude Jangadinha teve a água canalizada para abastecimento em 1945.

O povoado de Cavaleiro foi elevado à condição de distrito, em 16 de dezembro de 1948. Em 20/12/1963 Cavaleiro chegou a ser elevado à condição de município, mas o decreto foi anulado logo em seguida. Outros projetos de emancipação já foram propostos posteriormente, mas a criação de novos municípios no estado enfrenta sérias dificuldades, principalmente por causa da inviabilidade econômica das mesmas. Além disso, as propostas de emancipação de ditritos e estados novos são algumas vezes encabeçadas não pela população da localidade, mas por políticos interessados apenas na criação de novos cargos públicos para ocupar.

Cavaleiro conta hoje com uma população com mais de 100 mil habitantes, um forte e movimentado comércio, intensa vida cultural e política e estações de metrô que facilitam a comunicação com  Recife e com Jaboatão Centro. Nenhuma semelhança com os tempos em que a produção do açúcar, o fausto dos senhores de engenho e o trabalho árduo dos escravos dominavam a localidade!

4 comentários:

Gláucia Cândida disse...

Olá, vc poderia citar as fontes onde encontrou estas informações?
parabéns pelo trabalho.
Obrigada!

J.Lins disse...

Olá, vc poderia citar as fontes onde encontrou estas informações?
parabéns pelo trabalho.
Obrigado!

Anônimo disse...

Olá, tenho uma dúvida besta, mas pertinente : quem nasce em Cavaleiro é considerado Jaboatanense, certo? É que na minha certidão de nascimento consta como natural de Cavaleiro e agora toda vez que vou escrever o local de nascimento em algum formulário ou documento fico na dúvida se coloco Cavaleiro ou Jaboatão. Pela lógica sou jaboatanense, mas ainda tenho essa dúvida tosca. Agradeço se puder elucidar esta dúvida.

JAMES DAVIDSON disse...

As fontes estão no Instituto Histórico do Jaboatão!!