quinta-feira, 10 de abril de 2008

Cascata por que estás mudada?

Por James Davidson


Sempre me entristeço quando visito a Cascata, bairro onde mora minha avó, no Centro de Jaboatão. Tristeza dessas sem consolo que nada que alguém diga tira a dor do coração. Cascata da minha infância, cheia de histórias e fantasias. Cascata que hoje está mudada, ou diria, destruída.


A cascata de hoje não é a mesma do tempo dos ferroviários, trabalhadores da Great Western, que saíam cedo e voltavam à tarde pra rever suas esposas. Não é mais aquela da cachoeira que atraía gente de todo canto. Não é mais a mesma de Sebastião Henrique dos Santos.


Cadê a cascata de outrora? Cadê a terra de minha infância? Onde estão as ingênuas brincadeiras? Pega-pega, esconde-esconde, pega-bandeira? Ninguém vê mais as plantações pujantes. Cadê o "velho" com o chapéu de palha? Onde estão as árvores que eu amava? As mangueiras e jaqueiras exuberantes?



Onde estão meus antigos companheiros? A brincar e correr no "arrodeio"? O que fizeram com o riacho de "Biito"? Hoje é esgoto e serve de pinico! Ninguém mais faz expedições à mata! Pra pegar azeitonas, marias-pretas como eram chamadas.

.


Ninguém mais vê as festas emocionantes. Com palhaços distribuindo presentes às crianças, principalmente às carentes! Ali, no campo do Locomoção! Hoje, já não atrai a multidão.




Cascata dos tempos antigos. Afinal, o que fizeram contigo? O que fizeram com aquelas velhas casas? Hoje todas foram alteradas! Cascata do Canto, de Cima e de Baixo. E os chalets situados lá no alto!





Hoje a Cascata está mudada. Diferente de tudo que era antes. Violência, insegurança e imundície. Tristeza, abandono e pobreza. Não há mais o som das oficinas chamando os operários para um novo dia. Não há mais sossego e segurança. Seus riachos e a cachoeira estão sujos. O povo tranquilo foi embora. Forasteiros ocuparam seu lugar. A mata esta toda degradada. As crianças andam sujas e a violência não quer parar. As belas árvores foram trocadas pelo lixo. E os lindos cânticos por gritos!




É uma pena que tudo se acabou! A Cascata de antigamente agora só existe nas lembranças e nas saudades de quem ali viveu sua infância!


19 comentários:

Francy disse...

Li esse post com muita tristeza, pois são lugares que conhecemos e vemos que tudo está destruído. Parece que o homem onde coloca a mão, tudo apodrece.
Conhecemos tb o Engenho Santana e já estivemos por lá alguns anos atrás. Depois que Dona Anita faleceu nunca mais lá fomos, quem sabe, esta semana iremos novamente e vamos colocar fotos em nosso blog.
abs,

Blogger disse...

Parabésns pelo excelente trabalho de revivamento da história de Jaboatão, do qual nós fizemos parte ativamente.A cascata de cima tem um caráter especial, pois lá viví minha infância, junto com minha familia: Paulo Januário e Dna. Maria, vindos de Gameleira.As famílias tradicionais:Caboré; Sr. Bigode; Mauro do Charuto; Chico da Burra, entre outras.Tantas histórias, tantas alegrias!Saudades.

Blogger disse...

Há exatos 45 anos, cheguei a cascata de cima com meus pais, (in memorian)Paulo Januario e Maria Moura, vindos de Gameleira.Com meus 8 anos da idade, alí marquei parte de minha vida.Alí famílias, tradicionais como: Caboré,Mauro do charuto,Honório,Chico da burra,Sr.Bigode,entre outras. Éramos uma gde. familia.Os São João.Os assustados com a radiola de Sr. Miro.Qtas. saudades! Parabens por nos proporcionar essa oportunidade.

LADRÕES DE BRASÍLIA... disse...

Só posso parabenizá-lo pelo excelente trabalho. Jaboatão tem sido tão degradada pelas autoridades e também pelo seu povo. Tenho muitas saudades do Jaboatão de minha infância, tão bucólico e cheio de paz. Temos de continuar lutando para melhorá-lo.

Anônimo disse...

Parabéns por mim fazer voltar há 40anos atrás!!!!
Lembro-me bem da cascata eu tinha 5anos. Lembro-me da: Escadaria, o arrodeio,um rio que tomavamos banho. Eu morava na cascata do meio,meus avós,Sr Antônio e Dnª Angelita moravam na cascata de cima,tinha tbm a Dnª Gelcina e seus filhos:Marcelo e Marcio,eles tinham um cachorro pastor alemão que ficava de um lado para o outro. todos que passam para a cascata de cima viam ele correndo dentro do quintal. Minha mãe se chama Isaurita,Meu pai Djalma(já falecido)ele trabalhava na rede ferroviária.Quando era noite de lua cheia nós subiamos com nossos pais para o campo do locomoção para bricarmos.Lembro do Senhor Domingos que concertava TV sua filha Lenira. As noites de natal e ano novo iamos de casa em casa cumprimentar as pessoas.Eu estudava na escola Antônio Pinto Reis.Moro no Rio de Janeiro a 37 anos nunca mais voltei lá,nunca esqueci da minha infância da cascata. Fiquei muito contente de rever a cascata,mas mto triste por ver como ela tá destruida.Chorei muito por ver essa fotos.
Saudades!!!!!

Jaziene disse...

James Davidson(Deivinho), parabens pelo belo trabalho! Fiquei muito orgulhosa e muito emocionada ao ver esse documentário, pois trouxe a lembrança de minha infância. Pena que tudo mudou e as pessoas não são mais as mesmas. Está tudo mudado. Beijos da sua tia Jaziene(Rio de Janeiro)

Irenilda França disse...

Olá Amigos da Cascata,sou Irenilda filha do casal Sebastião e D. Irene,fico muito feliz em vê que James não deixou morrer o tempo da nossa infancia querida da cascata.
Em dezembro de 2010 foi realizado uma festa onde reuniu a maioria das pessoas que foram moradores das cascata em 2011 a festa se repetiu, estamos fazendo a cada ano um encontro para matar as saudades dos velhos tempos.
A famila do senhor Barnabé tem aberto as portas do seu estabelecimento, um salão de festa .
Precisamos da sua presença no proximo encontro dos amigos da cascata. um abraço á todos
.

Anônimo disse...

Quase chorei quando vi pelo google view, a imagem da minha queria escola Antonio pinto Reis,Em ruinas escola da minha infacia,infancia de verdade, tempos em criávamos nossos próprios brinquedos,hoje moro em são paulo, mas quando for visitar meu jabatão faço questão de visitar suas ruinas, gente o que se pode fazer para restaura aquela escola?? onde estão os arquivos dos alunos ? estudei lá entr 1979 e 1982 quem é aluno mais antigo do que eu ? já tomei banho naquela cascata !! hó glória(jacksonapolo@hotmail.com

Anônimo disse...

Quase chorei quando vi pelo google view, a imagem da minha queria escola Antonio pinto Reis,Em ruinas escola da minha infacia,infancia de verdade, tempos em criávamos nossos próprios brinquedos,hoje moro em são paulo, mas quando for visitar meu jabatão faço questão de visitar suas ruinas, gente o que se pode fazer para restaura aquela escola?? onde estão os arquivos dos alunos ? estudei lá entr 1979 e 1982 quem é aluno mais antigo do que eu ? já tomei banho naquela cascata !! hó glória(jacksonapolo@hotmail.com

Anônimo disse...

Quase chorei quando vi pelo google view, a imagem da minha queria escola Antonio pinto Reis,Em ruinas escola da minha infacia,infancia de verdade, tempos em criávamos nossos próprios brinquedos,hoje moro em são paulo, mas quando for visitar meu jabatão faço questão de visitar suas ruinas, gente o que se pode fazer para restaura aquela escola?? onde estão os arquivos dos alunos ? estudei lá entr 1979 e 1982 quem é aluno mais antigo do que eu ? já tomei banho naquela cascata !! hó glória(jacksonapolo@hotmail.com

Anônimo disse...

Quase chorei quando vi pelo google view, a imagem da minha queria escola Antonio pinto Reis,Em ruinas escola da minha infacia,infancia de verdade, tempos em criávamos nossos próprios brinquedos,hoje moro em são paulo, mas quando for visitar meu jabatão faço questão de visitar suas ruinas, gente o que se pode fazer para restaura aquela escola?? onde estão os arquivos dos alunos ? estudei lá entr 1979 e 1982 quem é aluno mais antigo do que eu ? já tomei banho naquela cascata !! hó glória(jacksonapolo@hotmail.com

Anônimo disse...

Quase chorei quando vi pelo google view, a imagem da minha queria escola Antonio pinto Reis,Em ruinas escola da minha infacia,infancia de verdade, tempos em criávamos nossos próprios brinquedos,hoje moro em são paulo, mas quando for visitar meu jabatão faço questão de visitar suas ruinas, gente o que se pode fazer para restaura aquela escola?? onde estão os arquivos dos alunos ? estudei lá entr 1979 e 1982 quem é aluno mais antigo do que eu ? já tomei banho naquela cascata !! hó glória(jacksonapolo@hotmail.com

nathalia oliveira disse...

Saudades também sinto, faço parte de uma das ultimas geraçoes da familia de caboré :(

Nathalia senna disse...

Saudades também sinto, faço parte de uma das ultimas geraçoes da familia de caboré :(

Anônimo disse...

Fui aluna da Escola Antonio Pinto Reis,em 1970,sinto muitas saudades daquela época.Meu pai se chamava Djalma, seu apelido era Loga,agora já falecido.Minha mãe se chama Isaurita, eu Nadja, meus irmãos: Margareth,Sergio,Djalma e o Walter era bebe de colo. meu pai trabalhava na Rede Ferroviária.Tenho muitas lembranças daquela época.Uma escada enorme,o arrodeio,um rio com uma cascata que tomavamos banho.Lembro-me de de alguns nomes de amigos como:Jessé,Lenira,filha de sr.Domingos,uma amiguinha que tinha o apelido de [Biluca]rs,um garoto chamado Romildo,dona Lica,suas filhas que não lembro dos nomes...pessoas que perdi nas lembranças!Lembro-me da sirene da âmbulancia quando passava as crianças correndo atrás pedindo para apitar.Saúdade da minha infância.Adoro ver essas fotos da Cascata,me leva para uma época muito distante...Já fazem 42 anos que moro no Rio de Janeiro,nunca mais voltei a Cascata,sinto muitas...muitas saúdades!

James Davidson disse...

Dona Lica ainda vive na cascata. Mas a escola Pintos foi destruída, acredite se quiser!!!

James Davidson disse...

A Escola Pinto Reis foi fechada e está abandonada! Dona Lica ainda vive e mora lá ainda!

James Davidson disse...

Gente muito obrigado pelo s comentarios e pelo apoio. pena que não pude responder antes a cada um pois estive muitissimo atarefado e sobrecarregado. Mas graças a Deus estou mais livre e pretendo e retomar minhas atividades em prol deste blog e da nossa querida cascata. Um abraço a todos e mais uma vez obrigado!

Letras Ufrpe disse...

Sou da família Barnabé, não conheço a cascata mais gostaria muito de conhecer mais pessoas dessa família aí em jaboatao